APARTAMENTO NA ESTEFÂNIA, LISBOA

PROMOTOR: PARTICULAR

PROJETO REALIZADO EM CO-AUTORIA COM RODOLFO GONÇALVES

O projecto de alteração e requalificação do Apartamento Estefânia, sito na Rua General Garcia Rosado 37 2ºesq, pretende a sua adaptação às necessidades da vida contemporânea urbana, dotando-o de qualidades necessárias ao conforto e qualidade de vida dos seus habitantes, adaptadas à sua própria dimensão.

As condições iniciais de projecto surgem da necessidade de caracterizar os espaços de acordo com a sua função uma vez que, actualmente, todos os espaços da casa, pelas suas dimensões aproximadas, têm um carácter semelhante não havendo practicamente distinção entre eles. Por outro lado, a dimensão de certos espaços bem como a existência de apenas uma instalação sanitária, estavam desadequados à dimensão da casa e ao número de habitantes que esta poderia comportar, tornando necessário que a intervenção convergisse sobretudo para a requalificação e redimensionamento dos espaços sociais e cozinha e para a criação de duas instalações sanitárias de acordo com a tipologia da casa.

Outro aspecto igualmente importante, que o projecto procura melhorar é a qualidade da iluminação natural na casa, através da eliminação de paredes e do aumento do número e dimensão dos vãos existentes, em particular na zona de circulação e nos espaços adjacentes ao saguão, onde as condições de iluminação natural são muito reduzidas.

Nos espaços da cozinha e sala de estar, criaram-se dois novos vãos bem como se alargaram e deslocaram outros dois. Esta intervenção, para além de permitir uma maior entrada de luz natural introduz uma permeabilidade visual e física com o resto da casa, razão pelo qual também se subtraíu a parede de fecho na sala de refeições, tornando-a igualmente um espaço mais participativo na casa, iluminado e consequentemente agradável.

Propõe-se também o alargamento do espaço de entrada, que na continuidade da circulação, estabelece um eixo visual directo entre as duas frentes de luz.

Propõe-se ainda a construção de um tecto falso com lã de rocha e gesso cartonado no sentido de beneficiar as condições acústicas da fracção e de construir elementos de iluminação artificial, razão pelo qual o pé direito se altera.

 

No exterior, a intervenção existiu apenas no alçado posterior nomeadamente no vão da cozinha - que se propõe alargar à dimensão livre desse espaço para maior entrada de luz natural - no vão exterior da instalação sanitária já existente que se pretende que passe a funcionar como acesso ao exterior na continuação do desenho dos restantes vãos do mesmo alçado. Estes foram refeitos com as mesmas proporções e material, a madeira.

A escada metálica de acesso ao logradouro, embora deslocada mantém-se com o mesmo princípio construtivo e material (aço).

O alçado principal mantém-se inalterado bem como as cores das fachadas, serralharias e o material das caixilharias nos dois alçados e saguão.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom